sábado, 12 de agosto de 2017

O Velho e o Mar - Ernest Hemingway

sábado, agosto 12, 2017




Em menos de um dia li essa obra fantástica de Hemingway, que lhe rendeu o prêmio Nobel de Literatura. Por aí dá pra imaginar a importância dessa obra, né? Comecei lendo Hemingway por "Paris é uma Festa" e eis que agora acabo de ler o Velho e o Mar mais surpreendida ainda por seu talento magnífico.

Resenha

O livro conta a história de uma valho pescador chamado Santiago que havia 84 dias que não pescava nada, por isso todos que o conheciam o chamavam de azarado e o tratavam com chacota, desprezo. O único que era seu amigo de verdade era Manolin, que era um rapaz que o velho havia ensinado pescar desde pequeno. Manolin estava pescando com outros pescadores porque seus pais haviam proibido de pescar com velho devido ao seu azar, mas o rapaz estava sempre indo atrás do velho, cuidando dele, e ajudando-o. No 85° dia o velho tem um pressentimento de que iria conseguir sucesso em sua pesca e sai para o alto mar a pescar sozinho e de repente pesca um peixe gigantesco de tamanho anormal.
Ele luta durante muito tempo para sonseguir matar o peixe para assim o colocar dentro de sua canoa, é uma grande luta com a natureza, com o peixe e o mar, pois o peixe leva sua canoa para o alto mar o que dificulta muito sua vitória. Não vou contar mais para não dar spoiler, mas vou dizer qual é a mensagem que tirei do livro, o que ficou pra mim. 


Mensagem para mim

Bom, a princípio mostra muito a questão da humildade, da amizade, da lealdade entre o velho e o Manolin. A solidão do velho, sua pobreza, em constraste com seu otimismo, perseverança, coragem, etc. Ele é simplismente batalhador e não desiste de seu objetivo, custe o que custar. Seu relacionamento com a natureza, um relacionamento de amor, respeito e consideração. Vejo que a luta de Santiago com o mar é uma metáfora da luta de cada pessoa com sua própria vida, qual é a postura diante das derrotas, dos obstáculos, do sofrimento em si. A vitória nem sempre está em conquistar um objeto almejado mas sim se lutamos para aquilo com todas as nossas forças, se damos o nosso sangue, qual será o grau de merecimento, se estamos preparados para receber aquilo, etc.


Frases que me marcaram

“ – Mas o homem não foi feito para a derrota – disse em voz alta. – Um homem pode ser destruído, mas nunca derrotado.” 

“Tudo o que nele existia era velho, com exceção dos olhos que eram da cor do mar, alegres e indomáveis.”

“Ás vezes, a verdadeira vitória não se pode mostrar, nem a verdadeira coragem é tão visível ou evidente quanto se pensa.”




quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Show do Lô Borges / A História do Clube da Esquina

quarta-feira, agosto 09, 2017





Esses dias tive o privilégio, a honra de assistir o show de um dos maiores compositores do Brasil: o Lô Borges, que ao lado do Milton Nascimento fundou o Clube da Esquina e fez parte do álbum do mesmo, com músicas maravilhosas. Desde que conheci o Lô, gostei muito e me considero muito fã de seu trabalho, acredito que ele é um dos poucos e únicos artistas de verdade que o Brasil possui, e digo com mais orgulho ainda, pois ele é mineiro! Tive a felicidade de ir no show do Milton em 2015, e eis que esse ano tive de novo ao ir no show do Lô.
Deixo aqui um vídeo que gravei durante o show de uma das músicas que mais gosto do Lô Borges:




video
O Trem Azul - Lô Borges


Eu e meu grande amigo Matheus Guimarães



Biografia de Lô Borges

Salomão Borges Filho, mais conhecido como Lô Borges (Belo Horizonte, 10 de janeiro de 1952) é um cantor e compositor brasileiro.
Foi um dos fundadores do Clube da Esquina, grupo de artistas mineiros que marcou presença na música popular nas décadas de 1970 e 1980. É co-autor, junto com Milton Nascimento, do disco Clube da Esquina, de 1972, que se tornaria um marco na música popular brasileira. Entre suas composições mais famosas destacam-se, entre outras, "Paisagem da Janela", "Para Lennon e McCartney", "Clube da Esquina n.º 2" e "O Trem Azul".
É considerado um dos compositores mais influentes da música brasileira, tendo sido gravado por Elis Regina, Milton Nascimento, Flávio Venturini, Beto Guedes, Nenhum de Nós, Ira!, 14 Bis, Skank, Nando Reis, entre outros.
(Fonte: Wikipédia)

Lô Borges no início da carreira


Lô Borges atualmente


O Mítico "Disco do Tênis" - 1° disco solo




Entrevista sobre o "resgate" do disco, muito boa



Amo esse vídeo, é o making off do DVD Intimidade (2008). 





História do Clube da Esquina

Para quem não conhece, o Clube da Esquina surgiu quando Milton Nascimento e Lô Borges se conheceram onde eles moravam, no bairro Santa Teresa em Belo Horizonte. Na verdade, Milton é de Três Pontas, mas estava morando em BH na época. Um dia, Lô descendo as escadas do seu prédio, começou a ouvir um som de violão e alguém cantando, uma voz muito bonita, quanto mais ele descia, mais ouvia aquela maravilha, foi então que viu Milton Nascimento tocando e cantando e se encantou. A partir disso os dois se reuniam para cantar e tocar na esquina, da rua Divinópolis. Um dia falaram para eles: vamos lá no clube, queremos ver vocês cantarem. Eles responderam: não temos dinheiro para ir no clube, nosso clube é aqui na esquina mesmo. Então pegou: Clube da Esquina, nome do movimento de artistas mineiros que inovaram a música brasileira (influenciados por Bossa Nova e The Beatles) e o nome do disco, que tem grandíssima importância.
Mais tarde, mais artistas começaram a aparecer por lá: Fernando Brant (letrista), Flávio Venturini e Vermelho (14 bis), Beto Guedes, etc. E então surgiu esses grandes artistas que são considerados a MPB de Minas Gerais, essas músicas maravilhosas que eu posso dizer sinceramente: isso que é música!


Capa do Disco "Clube da Esquina"



Fotos da galera do clube




A Leitura na Arte

quarta-feira, agosto 09, 2017



Aprecio muito obras de arte em geral, por isso tive uma grande ideia: unir o tema do meu blog (Literatura, Leitura) à pinturas que retratam esse tema, fazendo assim uma ótima ponte entre as duas grandes formas artísticas de expressão. Escolhi pinturas de pessoas lendo e é claro, escolhi as mais bonitas, as minhas preferidas. São pinturas que até já vi em museus que eu visitei e portanto para mim são especiais.


"Leitura" de Almeida Junior


"Menina Lendo" - Luis Claudio Morgilli (Brasil, 1955), óleo sobre tela


"A Leitora" - Daniel F.Gerhartz

"A Leitora" - Daniel F.Gerhartz


"A Leitura " - A. Renoir


Menina pequena lendo, 1890
Charlotte J. Weeks (Grã-Bretanha, sem datas)



Lendo em voz alta, 1883
Julius Leblanc Stewart ( EUA, 1855-1919)



Meninas lendo, 1897
Marie Louise Cathérine Breslau ( Alemanha, 1856-1927)



Homem lendo, 1881
Vincent van Gogh ( Holanda 1853-1890)



Frantisek Dvorak
Pintor checo (1862-1927)



Willian Worcester Churchill
Pintor inglês (1858-1926)



"A Jovem Leitora" - Jean-Honoré Fragonard
Pintor francês (1732-1806)



Que essas lindas pinturas nos inspirem a sermos grandes leitores!


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Playlist da Minha Vida...

quarta-feira, agosto 02, 2017





Depois de muitas resenhas, livros e leitura, deu uma vontade de postar sobre música aqui no blog! Já pensei em falar sobre esse cantor ou aquele, mas como são muitos, resolvi fazer um post para falar sobre todos os cantores que eu curto, já que, música faz parte da minha vida desde que eu me dei por gente, e me considero com muito orgulho uma pessoa muito musical, mas, acima disso, me considero uma pessoa de muito, muito, muito bom gosto, rsrs.



Internacionais: Celine Dion, Laura Pausini, Norah Jones, John Meyer, Bon Iver, Brian Adams, Whitney Houston, Mariah Carey, KT Tunstall, Vanessa Carlton, The Beatles, Michael Jackson, Shania Twain, Cindy Lauper, Boni Tyler, The Bangles...

Sempre gostei de músicas internacionais, gostava muito de assistir aqueles dvds flashback de mais de 100 clipes, por isso pude conhecer muitos cantores antigos. Desses que coloquei aí, há muitos que conheço há muitos anos e outros que faz pouco tempo que conheci, o que merece destaque é a Shania, posso dizer que durante minha adolescência ouvia muito e conheço quase todas as músicas dela, é um estilo pop coutry. O que adoro fazer também, é ouvir trilhas sonoras de filmes que me marcaram como: "A Incrível História de Adaline" - trilha maravilhosa.



Nacionais:

Roupa Nova

Conheci quando eu tinha 16 anos, meu pai trouxe o dvd acústico deles e eu me apaixonei por todas as músicas. Sou muito fã. Preferidas: Sapato Velho, Dona, Bem maior, Coração Pirata e Lembranças.

Leoni

Não cheguei a ouvir muitas músicas de Leoni, mas as que eu ouvi gosto demais: Fórmula do Amor, Garotos, Temporada das Flores...


Nando Reis

Conheci através de um amigo que me mandou "Pra você guardei o amor", gostei muito e passei a ouvir sempre, as minhas preferidas: De janeiro a janeiro, Sei, Por onde andei, Allstar e Relicário.



O Teatro Mágico

"Tudo numa coisa só": música, teatro, circo, poesia! Músicas para ouvir e nunca mais parar de ouvir. As que mais me marcaram: Ana e o Mar, O Anjo mais Velho, Realejo, Separô, Folia no Quarto, Na Varanda, A Pedra mais Alta, Menina, Soprano, Pena, e muitas outras. Conheci por um amigo há uns 8 anos e sou muito grata a ele.


Sandy (Carreira Solo)

Aprecio desde criança, passando pela a adolescência, até hoje! Acompanho todo o seu trabalho solo e é a única artista que gosto de ficar assistindo entrevistas e vídeos no youtube. Conheço todas as parcerias que ela fez, estou sempre por dentro. Tenho os dois dvds: "Manuscrito" e "Meu Canto". Das músicas que mais me marcaram dela: Pés Cansados, Perdida e salva, Ela/Ele, Dedilhada, Escolho Você, Morada, Aquela dos 30, Refúgio, Me espera e Respirar.



Tiago Iorc

Já ouvi tanto o cd "Troco Likes" que já perdi a conta, achei ótimo. Gosto em especial : Coisa Linda, Sol que me faltava, Mil razões e Alexandria. 


MPB Brasileira: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Elis Regina, Roberto Carlos, Adriana Calcanhoto, Marisa Monte, Djavan, Lenine, Oswaldo Montenegro...

É muita música boa! Preferidas: Devolva-me, Esquadros, e Metade de Adriana, Nossa Canção do Roberto, Sampa de Caetano, Romaria e Como Nossos Pais de Elis etc.


MPB Mineira (Clube da Esquina): 14 Bis, Milton Nascimento, Beto Guedes, Lô Borges...

Claro que tudo isso aí é minha vida musical resumida, amo essa galera de Minas, mas entre esses todos o 14 Bis é o meu preferido. Das músicas do 14 Bis, as minhas preferidas: Uma velha canção Rock'N' Roll, Siga o Sol, Gente do Interior, Vida Nova, Outra Estrada, Mesmo de Brincadeira, Natural, Sonhando o Futuro, Sete Raios de Cristal, Clarabóia, Trem Azul etc. Lô Borges: Equatorial, Para Lennon e Mctney, e Um Girassol da cor do seu cabelo. Beto: Maria Solidária, Amor de Índio. Milton: Caçador de mim, Nos bailes da vida, Nada será como antes, Maria Maria, Tudo o que você podeia ser...


Maria Gadu,  Outro eu, 5 a Seco, Marcelo Jeneci, Roberta Campos...

Cantores e bandas que estou ouvindo a pouco tempo mas estou gostando muito e recomendo.
Merecem destaque: Linda Rosa - Maria Gadu, Outro eu - Ai de mim, 5 a seco - Pra você dar o nome, Marcelo Jeneci- Pra sonhar e Minha felicidade - Roberta Campos... Maravilhosas!



Família Lima

Há pouco tempo que ouço mas o que posso dizer é que são grandíssimos artistas e amo demais: Meu Violino, Não posso esquecer, Junto a ti, Meu coração é teu, Coração Triste, Teu Beijo e Primeiro Amor.


Rosa de Saron, Toca de Assis, Thiago Brado, Dunga, Anjos de Resgate, Nelsinho Correa, Matt Maher

Todas as músicas que me levam a Deus são especiais e inesquecíveis. Vai além de qualquer tipo de música porque alimentam até o âmago da minha alma, por isso muitas vezes escuto chorando, muito emocionada. O que posso citar que me marcou: Metade de mim- Rosa de Saron, O Deus de minh'alma - Toca de Assis, Lord, I need you - Matt Maher, Quem me segurou foi Deus - Nelsinho, Restauração - Dunga, Não estou só - Thiago Brado. No mais, a maioria do Rosa de Saron e Toca de Assis marcaram muito minha vida com Deus.








terça-feira, 1 de agosto de 2017

Crime e Castigo / Memórias da Casa dos Mortos - Dostoiévski

terça-feira, agosto 01, 2017



Num período curto de semanas, li duas obras fantásticas de Dostoiéviski, obras que se complementam entre si, por serem a mesma temática. Sempre que resolvo ler algo, tenho que ter um pré-interesse no assunto abordado, e os assuntos da vez foram crime, prisão, etc. 

Biografia do autor
Dostoiévski em suas obras levanta muitas questões sobre os sofrimentos humanos, devido à sua história de vida. Ele nasceu em 1821, seu pai era médico dos pobres, e durante sua infância e adolescência, ele presenciou muito o sofrimento humano dos pacientes de seu pai e isso o marcou de alguma forma. Estudou Engenharia em São Petesburgo e após se envolver em uma conspiração contra o governo czar, foi condenado à morte, ele e muitos outros, mas se safaram bem na hora, a pena fora trocada por 4 anos de serviços forçados na Sibéria e 6 anos de soldado combatente. Antes e após a prisão, escreveu inúmeras obras literárias das quais se destacam : "Crime e Castigo", "Os Irmãos Karamázov" e "O Idiota". Sua obra é de grandíssima importância para a Literatura mundial.

Crime e Castigo - Resenha
Comecei a ler esse livro e não conseguia parar, ele me prendeu totalmente, eu mergulhei na leitura de uma tal forma que sentia que os personagens eram reais na minha vida! Esse livro conta a história de Raskolnikov, um estudante de Direito de São Petersburgo, muito pobre, em péssimas condições. Morava em um quarto que mal o cabia, que pertencia a uma agiota, a quem ele empenhava objetos para pagar sua estadia. Por falta de dinheiro ele larga os estudos e comete um crime terrível, a partir de então é acometido das consequências de seu infortúnio. Não conto mais para não dar spoiler, mas o que posso dizer a respeito da minha experiência com o livro é que eu não poderia morrer sem lê-lo, rsrs. Aprendi muito, como um criminoso é atormentado pela sua consciência, muito mais que pelo castigo da prisão, da humilhação. O fato de ele não se arrepender do crime, o tortura, ele deseja arrependimento, mas não consegue, isso tira sua paz e sentido da vida. Ele questiona muito sobre ter ou não o direito de praticar um crime , se esse crime pode ser benéfico ao mundo, questiona muito o sofrimento e as injustiças. Sem dúvida, uma obra fantástica que indico para todos lerem.


Memórias da Casa dos Mortos - Resenha
Como continuação de Crime e Castigo, ingressei na leitura dessa obra fantástica de Dostoiéviski, em que ele conta numa ficção sua experiência de presidiário na Sibéria. O livro conta a experiência de Aliexsandr Pietróvitch, um homem que matou sua mulher por ciúmes e cumpriu uma pena de 10 anos de trabalhos forçados na Sibéria. O livro retrata tudo sobre o presídio, como é a experiência daqueles mortos, que estão vivos por fora, mas mortos por dentro, é assim que eles se sentem. É um penetrante estudo psicológico da alma de um criminoso. É interessante ter a experiência dessa leitura, ainda mais nessa sociedade que só sabe apontar o dedo, muitas pessoas não têm compaixão por não saberem se colocar no lugar do outro. Erro não anula ninguém, todos somos humanos, e porque somos humanos estamos arriscados a errar, independente do tipo do erro. Falta humanidade na humanidade.


O Mundo do Crime
Aqui no blog, já falei a respeito do mundo dos vícios, agora quero falar em especial do mundo do crime. O que é esse mundo afinal? Como funciona a mente de um criminioso, por que ele maquina o mal na sua cabeça? Certamente quem nunca cometeu um crime não pode compreender a mente de um marginal. Já dizia o ditado : "cada cabeça, uma sentença." Por que o crime não acaba? Desde que o mundo é mundo, sempre existiu punições para criminosos. O fato é que para o criminoso ele tem razão, ele vive no seu mundinho, para ele, o que ele faz não é crime por uma série de motivos. Por isso que todos dizem que são inocentes. O que conta muito na vida de um criminoso é sua história de vida, sua criação, seus costumes. Muitos fazem o que foram ensinados a fazer. Não justifica, mas nos ajuda a compreender melhor. Só quem está na pele sabe. Uma pessoa é capaz de fazer qualquer coisa, desde que aquilo faça sentido pra ela, ninguém é capaz de fazer algo completamente sem sentido. Pode ser que tenha sentido de justiça, prazer, vícios, vingança, etc. O ser humano busca a felicidade, mas busca nas coisas erradas, vejo nisso o sentido da vida do criminoso. Ele busca ser feliz, mas busca de forma doentia. Não sabemos se há solução para o mundo do crime, mas vejo que a solução não está no julgamento, na forma bruta da prisão e da humilhação, se não, as cadeias não viveriam cheias. Repito: falta humanidade na humanidade.



quinta-feira, 27 de julho de 2017

Paris é uma Festa - Ernest Hemingway

quinta-feira, julho 27, 2017



Breve Resenha

Li esse livro maravilhoso após ter assistido a um dos filmes que mais amei na minha vida: "Meia Noite em Paris" de Wood Allen, pois o filme foi inspirado nesse livro. “Paris é uma Festa” traz as memórias parisienses de Ernest Hemingway. Uma obra baseada em fatos reais, mas que pode ser lida como uma ficção. É possível sentir em cada página o carinho de Hemingway por esse tempo já distante de sua vida. Como o livro foi escrito na década de 50, fica perceptível a saudade com que o autor lembra da rotina que vivia, dos lugares que frequentava (entre eles a famosa livraria Shakespeare and Company, ponto de encontro de escritores que anos depois se tornariam pilares da literatura mundial) e das pessoas que conhecia andando a esmo, entrando em um café aqui, em um bar ali e que, eventualmente, se tornavam amigos. Entre elas, James Joyce, Gertrude Stein, Ezra Pound, Ford Madox Ford e, claro, Scott Fitzgerald (que na época começava a ser reconhecido pela crítica – embora não pelo público – por “O Grande Gatsby”). Este último ganha um capítulo à parte no qual Hemingway fala sobre a convivência com o amigo, deixa clara sua admiração ao colega escritor, e discorre um pouco a respeito do complicado relacionamento de Scott e Zelda. 
Havia dias em que Hemingway não tinha dinheiro ao menos para almoçar e não devia ser menos frustrante não ter quase ninguém interessado em seus textos, mas apesar das dificuldades, fica claro que aqueles eram tempos leves e felizes. Tempos em que ele ainda não enfrentava problemas como alcoolismo e depressão. O triste é saber que foi durante a revisão destas memórias - em meio a lembranças felizes de um tempo em que a vida lhe dava tão pouco, mas parecia satisfazer-lhe, com um talento absurdo transbordando em cada linha - que Hemingway se suicidou. O livro foi revisado por sua viúva e publicado postumamente.
Confesso que tanto o filme, como o livro, abriram um leque de artistas que eu não conhecia e que me encantaram, fiquei feliz por participar um pouquinho dessa Paris que era uma festa. 



Ernest Hemingway



Eu não conhecia Hemingway, tampouco sua obra, mas fiquei encantada com seu estilo bem realista, nada sentimental, e também sua grande dedicação à Literatura, um escritor nato, tenho certeza que qualquer livro dele que eu leia, eu iria gostar, muito talentoso.


F. Scott Fitzgerald



Encantada com Scott no filme, fui procurar saber mais sobre ele e li sua principal obra: "O Grande Gatsby", e o conto "O Diamante do tamanho do Ritz"; gostei demais, simplismente fantástico. Ele e sua mulher Zelda, eram muito apaixonados e como escritores os dois, havia uma certa concorrência. Segundo Hemingway, Zelda tinha inveja do talento de Scott e consequentemente ela o atrapalhava e por isso Scott escreveu pouco. Mas Scott estava tão cego de amor que não percebia, mas Zelda tinha problemas psicológicos e chegou até a ser internada. Os dois tinham uma vida boêmia, problemas relacionados aos "pileques". Enfim foram grandes escritores da literatura norte-americana nos anos 20 e davam seus passeios em Paris.

Gertrude Stein




Gertrude Stein foi uma escritora, poeta e feminista estadunidense. Tinha um apreciável círculo de amigos, como Pablo Picasso, Matisse, Georges Braque, Derain, Juan Gris, Apollinaire, Francis Picabia, Ezra Pound, Ernest Hemingway e James Joyce, isso apenas pra citar alguns. Sua casa era um centro de encontro desses grandes artistas. No filme retrata muito bem como era sua vida e achei que a atriz representou muito bem, além de parecer muito com ela. Hemingway fala muito dela no seu livro.


Livraria Shakespeare and Company





A primeira Livraria Shakespeare and Company pertenceu à norte-americana Sylvia Beach e funcionava em outro endereço. Mas o mais interessante desse local é que a dona abrigava aspirante a escritores; jovens que iam a Paris em busca da fama, e chegavam sem dinheiro para aluguel e comida. Na livraria podiam dormir, ler e escrever em troca de serviços.




Não foram poucas as mentes geniais que se encontravam por lá, e usavam as dependências para escrever, entre as principais estão: Ezra Pound, James Joyce, Gertrude Stein, Ford Madox Ford e Ernest Hemingway, este que usou a livraria como pano de fundo em parte do seu livro Paris é Uma Festa.

A Nova Shakespeare and Company

Durante a Segunda Guerra , em 1941, Sylvia teve que fechar a livraria, mas quando morreu deixou um grande acervo de livros para o amigo George Whitman que então mudou o nome de sua livraria também para Shakespeare and Company em 1964.
Esta funciona até hoje e agora é administrada pela filha de George; Sylvia Beach Whitman (ele deu o nome da antiga dona da livraria à sua filha).
A nova Shakespeare and Company também recebeu importantes nomes da literatura já que era frequentada por toda a geração beat que morou em Paris como Allen Ginsberh, William S. Burroughs, Jack Kerouac e Anaïs Nin.
Mas isso não ficou no passado, hoje você pode comprar, sentar, ler, deitar na cama, ou digitar na antiga maquina de escrever que ficou por lá. Também pode se hospedar num dos 13 leitos que estão disponíveis em troca de ajuda na livraria.
Hoje a livraria vive em plena atividade, com festivais, encontros de escritores, leitura de poesia, oficinas e domingos de chá.
(Fonte das informações da livraria: aquelelugar.com.br)



Filme Meia Noite em Paris





Acredito que minha paixão pelo filme veio da minha identificação com o personagem Gil Pender, apaixonado por escrever, por literatura e por coisas antigas, ele quer ir a Paris, mas não a atual, a Paris dos anos 20. Ama músicas antigas (Cole Porter por exemplo) é um retrô assumido. Sou fascinada por filmes que dá esse poder ao personagem - viagem no tempo... E para Gil isso se torna possível. No mais, amo tudo mesmo nesse filme: os personagens, as músicas, as imagens, o enredo, etc. Não é à toa que vejo sempre e nunca enjoo. Posso dizer com segurança que é meu filme preferido... Recomendo a todos de bom gosto nesse planeta!

Bom é isso, para quem não conhece, leiam o livro e vejam o filme, é imperdível! 
Até mais!




terça-feira, 25 de julho de 2017

A Importância da Leitura

terça-feira, julho 25, 2017



Você tem o hábito de ler?
Resolvi escrever esse post para ajudar quem não tem esse hábito, pois é uma das melhores atividades que uma pessoa pode realizar por ela mesma, é simplismente enriquecedora. Todo mundo aprende a ler e escrever na escola (alfabetização), mas será que todos que sabem ler, costumam ler igual? Pois eu digo que não, existem vários tipos de leitura. Como assim?
Quem cria o hábito de ler, começa por livros fáceis e com o tempo vai avançando e lendo livros mais complexos, aumentando a sua capacidade de leitor, aumentando seu vocabulário, compreendendo as entrelinhas, enxergando muito mais coisa que outras pessoas. Uma pessoa que costuma a ler muito pode ver muita coisa diferente em um mesmo livro que outro lê e não tem essa capacidade de ver.
De acordo com um curso que eu fiz "Curso de leitura analítica", aprendi que existem quatro níveis de leitura:
  • Nível elementar: Saber ler, o que o diferencia do analfabeto.
  • Nível Inspecional: Leitura avaliativa, saber discriminar os livros por uma rápida leitura.
  • Nível Analítico: Ler em etapas (estrutura, conteúdo e crítica sobre o livro)
  • Nível Sintópico: Ler vários livros para se responder a um problema (no caso, úti para um artigo científico)
Enfim, o nível mais importante para uma pessoa que quer ser uma grande leitora, é o nível analítico, que seria uma leitura mais profunda, capaz de captar os detalhes, as entrelinhas e entre outros. Para você que pensa que ler é muito difícil, saiba que leitura não é privilégio de ninguém e sim um hábito que se adquire, assim como um exercício físico, no começo é um esforço mas depois se torna uma necessidade e te traz muitos benefícios.
Caso você não leia nada mesmo, é bom começar por livros pequenos e fáceis de ler, mas principalmente, a leitura deve ser do seu gosto. Com o tempo, você sendo fiel e avançando, você vai acabar por ler qualquer coisa com mais facilidade. É incrível.
Existem dois tipos de livros: os expositivos que visam ensinar algo ao leitor; e os imaginativos, são as histórias, contos, fábulas, romances, etc. Trabalham a imaginação. Todos os livros são muito bem vindos, deve-se ler de tudo o que tiver interesse.

Benefícios da leitura

Afinal, quais são os benefícios da leitura? Pra que ler um livro se posso assistir um filme? Seria mais rápido e mais cômodo. Pois é, estamos na era da preguiça, ninguém quer mais se esforçar, tudo é com apenas um clique na era da internet, da televisão com controle, etc. 

Gramática
Se você é daquelas pessoas que odeiam estudar gramática e decorar regras, ler seria uma ótima troca, pois lendo bastante, você automaticamente decora pontuação, acentos e etc. E consequentemente vai falar e escrever corretamente e sem ver.

Lógica
Além de falar e escrever corretamente, você vai adquirir coerência, ou seja, seus textos vão ter mais sentido, vão ser mais compreensíveis, sem rodeios e devaneios.

Retórica
Vai com certeza falar e escrever com estilo e beleza, possuindo riqueza de vocabulário, vai dominar as figuras de linguagem, que são a essência da Estilística (parte da gramática que estuda o estilo das palavras).  

Além de tudo isso, tenho plena certeza que vai ser uma pessoa mais criativa em tudo, pois a leitura trabalha a imaginação e a criatividade. Assistir a um filme não trabalha sua mente como ler um livro: ao ler, sua mente tem o trabalho de imaginar os personagens, o cenário, os diálogos e etc. Não pensem que podemos evoluir à base de comodidades. O que exige esforço sempre nos traz alguma recompensa. 
Bom, é isso, espero que meu post traga muito incentivo para nascer mais e mais leitores!
Até mais!